20 de junho de 2022

O potencial eleitoral de Raquel Lyra na disputa pelo governo

Apesar da boa performance da deputada federal Marília Arraes (Solidariedade) nas pesquisas eleitorais, cuja situação se deve muito ao sobrenome e ao recall da disputa pela prefeitura do Recife em 2020, a ex-prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB) se mostra uma postulante tão competitiva quanto Marília e pode-se dizer até mais perigosa em um eventual segundo turno.

A tucana está inserida no segundo maior colégio eleitoral do estado, o agreste, que compreende cerca de 27% do eleitorado pernambucano, e tem como diferencial credenciais que poderão captar parte do eleitorado metropolitano. Ela conta com o apoio do ex-candidato a governador Armando Monteiro e de dois ex-candidatos a prefeito do Recife, Daniel Coelho e Priscila Krause, todos três com forte inserção na classe média da região metropolitana que podem fomentar a postulação tucana.

É importante frisar que com o desempenho do agreste e com uma performance minimamente aceitável na metropolitana, algo em torno de 20% dos votos válidos, poderá levar Raquel Lyra ao segundo turno, que também deverá receber votos de um eleitorado refratário ao PT e ao PSB e simpático ao presidente Jair Bolsonaro, mais precisamente o eleitorado de classe média recifense.

Num comparativo com Marília Arraes, a tucana disputa votos com Miguel Coelho e Anderson Ferreira neste segmento metropolitano de classe média, com significativo favoritismo, já a postulante do Solidariedade, que disputará outra faixa do eleitorado, as classes C, D e E com Danilo Cabral, terá desafio maior, uma vez que o chamado voto de estrutura dos deputados estaduais e federais em sua maioria com Danilo, deverá ajudar a pender mais facilmente para o socialista com a campanha propriamente dita.

Por não ser lulista nem bolsonarista, Raquel Lyra terá como principal desafio chegar ao segundo turno, pois nesta etapa ela tem grandes chances de captar votos dos mais variados espectros ideológicos, o que a coloca numa condição de nome extremamente difícil de ser batido na segunda etapa.

Fonte: Edmar Lyra