20 de junho de 2022

Gilson Machado Neto ressalta importância da bacia leiteira para Pernambuco

O ex-ministro e pré-candidato ao Senado por Pernambuco, Gilson Machado Neto, ressaltou neste sábado (18.06), em São Bento do Una, a importância da indústria leiteira no estado. Ao lado do pré-candidato ao governo do estado Anderson Ferreira, Machado Neto esteve nas instalações da Bom Leite, uma das 100 principais fábricas de leite e laticínios da América Latina.

Durante a visita, o proprietário da Bom Leite, Êstenio Galvão, apresentou, primeiramente, todo o processo de produção de leite na agropecuária local e, em seguida, o beneficiamento de queijos, iogurtes e outros derivados na fábrica de laticínios. Machado Neto, que é médico veterinário e produtor rural, conheceu com detalhes como é feita a ordenha do rebanho. O leite, após passar pelas etapas necessárias, é transportado até a fábrica para ser, junto com o leite adquirido de outros fornecedores, transformado em diversos produtos.

O pré-candidato ao Senado, Gilson Machado Neto, ressaltou a relevância da indústria de leite e derivados para Pernambuco e elogiou o trabalho de excelência feito na região. “A indústria leiteira é fundamental tanto para garantir produtos para alimentação dos pernambucanos como gerar emprego e desenvolvimento para a população”, afirmou.

O proprietário da Bom Leite, Estênio Galvão, explanou os números que a empresa gera para a economia e explicou que a cada 50 litros de leite produzidos geram 1 emprego direto. “Aqui na região de São Bento do Una são produzidos certo de 200 a 300 mil litros por dia”, explicou. “É uma proteína que alimenta, uma proteína a ideal para alimentação”, disse.

PRODUTOS – A visita passou, em seguida, pela fábrica da Bom Leite, que produz 103 tipos diferentes de produtos derivados do leite e tem 248 funcionários na linha de produção de São Bento do Una. Ao todo, contando com as outras unidades, são 500 empregos diretos. Dentre do galpão enorme, os empregados são organizados por setores e por tipos de alimento. Ali são produzidos as embalagens e guardados os produtos, que são armazenados em caixas para irem para as prateleiras. As mercadorias são distribuídas pelos estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Sergipe.

“Nos vimos hoje aqui o ciclo completo do leite, desde a sua produção até o carregamento dos caminhões para distribuição dos derivados, como doce de leite, manteiga, iogurtes, queijo, requeijão”, destacou Gilson Machado Neto. “Mais um exemplo que os empresários precisam ser tratado como prioridade, pois são eles que ‘botam o deles na reta’ e geram emprego para o Brasil”, disse.

VALE DO IPANEMA – A indústria leiteira também foi tema de encontro na quinta-feira (16.08), em Pedra, no Vale do Ipanema, região responsável pela produção de 70% do leite do Nordeste com 2,3 milhões de litros por dia. Pernambuco tem 34 mil produtores de leite. No mesmo dia, Gilson Machado Neto e Anderson Ferreira estiveram na Valelac onde se reuniram com funcionários para falar de economia e oportunidades.

Para secretário municipal de Agricultura de Pedra, Moshe Dayan, a indústria segue forte, mas enfrenta algumas dificuldades, como o custo de produção, o diesel caro, a condição das estradas E a política fiscal do estado, que incentiva a vinda de produtos de outros locais. “A importância do leite para a economia é total. É nosso principal produto agrícola, leite é nossa atividade constante o ano todo”, disse. “Seguimos fortes, mesmo com as dificuldades, buscando alternativas para seguir com essa que é a atividade mais importante do Agreste de Pernambuco”.