5 de dezembro de 2021

Vice de futebol do Sport dispara contra CBF e protesta após novas mudanças na tabela

Em meio à reta final do Brasileirão 2021, o Sport sofreu constantes mudanças de datas e horários em seus jogos, especialmente no segundo turno. De acordo com o diretor de futebol do Sport, Augusto Carreras, essas alterações feitas pela CBF têm prejudicado o Sport e o planejamento de logística de viagens e treinamentos estabelecidos, resultando em dificuldades em campo. Carreras foi incisivo e afirmou que as alterações só estão sendo feitas para atender a um único clube, pela recusa em jogar partidas em meio à data Fifa, uma alusão ao Flamengo.

“Recebemos as alterações com indignação e perplexidade. É uma tabela que foi completamente alterada, prejudicando muito o Sport”, disse Carreras.

O diretor iniciou resgatando as recentes alterações que foram feitas pela CBF, partindo da chegada do elenco após a partida contra o Cuiabá, na Arena Pantanal, no dia 14 de outubro, uma quinta-feira.

Na ocasião, o clube solicitou à entidade uma alteração na data do jogo contra o Santos, realizado no domingo, dia 17 de outubro. A CBF negou a solicitação e, em seguida, remarcou duas partidas em sequência do Leão, contra Palmeiras e Bragantino, ambas fora de casa e que tiveram que ser disputadas em um intervalo de quatro dias, nos dias 25 e 28 de outubro, além da partida contra o Fluminense, em 6 de novembro, que também foi antecipada. De acordo com Carreras, em todos os casos, não houve comunicação ou combinação entre CBF e Sport.

“Quero fazer aqui um histórico de jogos que foram alterados em um curto espaço de tempo. Primeiro tivemos a negativa de uma alteração solicitada do jogo contra o Santos. Chegamos aqui na madrugada do sábado, às 3h, para jogar no domingo, às 20h30. Fizemos essa solicitação em tempo hábil e a CBF negou”, informa o dirigente.

“Depois nós tivemos o adiamento do jogo contra o Palmeiras sem nenhuma comunicação ou combinação com o Sport. Tomamos conhecimento através da imprensa. Depois a antecipação da 34ª rodada, contra o Bragantino, que foi quase uma imposição da CBF, em virtude da marcação das finais da Conmebol. Mudanças para jogar em uma segunda-feira contra o Palmeiras e na quinta contra o Bragantino. Tivemos uma outra antecipação sem combinar, que tomamos conhecimento através do site da CBF, o nosso jogo contra o Fluminense, que estava previsto para ser no domingo e foi antecipado para o sábado”, detalhou.

Consequências das mudanças

Para o diretor, essas mudanças prejudicam o clube especialmente na parte de logística de viagens, destacando dificuldades com passagens aéreas por conta da alta procura de final de ano.

“Todas essas alterações, por menores que possam ter sido, elas mexem com toda a logística de viagens. Nessa reta final de ano, temos dificuldades com passagens aéreas, com a diminuição da malha viária em virtude da pandemia. Isso fez com que tivéssemos que alterar nossa logística, com horários diferentes, combinação de treino e local tendo que ser alterados. Tudo muda”, lamentou.

Após lamentar as alterações anteriores e relatar as consequências, Carreras disparou contra a CBF, ao falar das novas mudanças feitas na tabela da reta final do Sport. A entidade justifica a alteração com o argumento de que as quatro últimas rodadas do campeonato precisam ser equânimes, ou seja, que os clubes joguem em casa e fora, de forma alternada.

No entanto, para o diretor rubro-negro, a justificativa “não convence”, destacando que não há nada desse porte previsto para o campeonato e que além do Sport, outros clubes vem sofrendo com uma imposição da entidade em relação às decisões sobre a tabela.

“Para fechar com chave de ouro, a CBF vem com essa grande alteração da tabela, que até agora, todas as explicações que foram passadas e publicadas de forma oficial, não nos convence, de forma nenhuma. Essa premissa, como eles chamam, de ter as quatro rodadas sendo realizadas de forma equânime, não convence ninguém. Essa história não cola, não está no regulamento da CBF, que diz apenas sobre a última rodada, para que sejam realizados na mesma data e no mesmo horário. Não fala em momento nenhum sobre os clubes terem que jogar dois jogos dentro de casa e dois fora, alternadamente, nas últimas quatro rodadas. A CBF impõe isso aos clubes, como fez com o Sport e outros clubes”, criticou.

“Prejudicado e indignado”

Ainda de acordo com Carreras, o clube se sente “prejudicado e indignado” com as recentes mudanças de tabela, mas reconhece que, no momento, apenas cabe ao clube protestar. No entanto, o diretor destaca que está sendo analisado alguma saída na parte jurídica, mas garante que, de toda forma, o Sport estará em campo, cumprindo o regulamento.

“O Sport se sente prejudicado e indignado. Estamos protestando, é o que nos cabe no momento. Ainda estamos analisando algum aspecto jurídico do que pode ser feito. Entretanto, se não puder ser feito nada, o Sport estará em campo, vamos cumprir o regulamento. Porque o Sport é cumpridor do regulamento, faz a sua obrigação, tem um planejamento de viagens e logística”, disse.

Carreras continuou sua crítica à CBF, afirmando que há interesses na alteração feita nos jogos, com beneficiados e prejudicados.

“Com essa alteração onde a gente sabe, nitidamente, quais são os interesses, a gente vislumbra e percebe muito que tem clubes que estão sendo beneficiados com essa mudança e outro estão sendo prejudicados”, comentou.

Em seguida, Carreras faz alusão ao Flamengo, ao falar sobre protestos feitos à CBF no início do campeonato. Ele cita que as convocações de jogadores para seleção esfalcariam clubes que jogariam em meio à data Fifa. A entidade acatou os pedidos e alterou alguns jogos, que até agora não conseguiram ser realizados.

O diretor do Leão deu como exemplo a partida entre Grêmio e Flamengo, da segunda rodada, que só vai acontecer no próximo dia 23 de novembro. A partida entre Sport e Flamengo seria disputada no dia 24 e foi adiada para o dia 3 de dezembro, por conta da final da Libertadores, no dia 27.

“O Sport não deu causa em momento algum na alteração dessa tabela. Agora, clubes que no início do ano se recusaram a jogar o Campeonato Brasileiro, porque não admitiam jogar em Data-Fifa, porque tinham jogadores cedidos à Seleção Brasileira, tiveram a conivência da CBF para não jogar nessas datas, onde a mesma sabia que iria faltar data para concluir o campeonato”, diz Carreras.

“Daí, já se prorrogou o encerramento do campeonato, que era para terminar no dia 5 e agora vai para o dia 9. Isso já altera planejamento de férias dos atletas, pré-temporada. A CBF fez isso para beneficiar apenas um clube, que deu causa por se recusar, lá atrás, a jogar as partidas do campeonato enquanto tivesse jogo da Seleção Brasileira. Vamos ter o jogo Grêmio e Flamengo, referente à segunda rodada, do início da competição. Isso é um absurdo. E aí, nós vamos pagar essa conta? Por isso essa indignação e essa perplexidade”, disparou.