20 de junho de 2021

Empate em jogo de ida é cenário raro em decisões de Clássicos dos Clássicos

Com uma rivalidade centenária, envolvendo mais de 500 jogos, é difícil encontrar fatos raros sobre Clássico dos Clássicos. Mas o duelo deste último domingo (16) trouxe um. Ter um empate no jogo de ida entre Sport e Náutico, valendo o título do Pernambucano, só aconteceu anteriormente duas vezes em 18 oportunidades na história. Sinal de que, ao menos no papel, a edição 2021 do Estadual promete ser a mais equilibrada em sua partida final.

A primeira vez foi em 1954. Na época, a decisão acontecia em três jogos. No primeiro, empate em 2×2. O duelo seguinte terminou com triunfo do Náutico, por 3×2. No terceiro embate, empate em 1×1. O Timbu foi o campeão, com o detalhe que todos os confrontos aconteceram na Ilha do Retiro.

Em 1991, o Sport levou a melhor. Na época, o Leão tinha vantagem de jogar por dois empates e decidir na Ilha. O Náutico resolveu levar o primeiro jogo para o Arruda. O Clássico dos Clássicos terminou em 3×3. No outro compromisso, atuando em casa, o Leão ganhou por 3×0.

Nos demais embates, o primeiro jogo sempre teve um vencedor. Em 1975 e 1981, com partida única, deu Sport, conquistado o título sem necessidade de novo clássico. Assim como 1995, 1961, 1977, 1988, 1994, 2014 e 2019. Já o Náutico ganhou os confrontos iniciais em 1951, 1963, 1965, 1966, 1968, 1992 e 2010.

Com o empate em 1×1 no jogo de ida, na Arena de Pernambuco, Náutico e Sport precisam vencer para conquistar o título de 2021 de forma direta. Em caso de novo resultado de igualdade, a taça será definida nas penalidades. Vale lembrar que o Estadual não tem como critério de desempate o gol fora de casa.