oo

op

Economia

Bolsas europeias operam em alta após fortes perdas do dia anterior

Já os preços do petróleo eram negociados em alta perto de 10% após tombo de quase 25% na segunda-feira.

As principais bolsas europeias operam em alta ao redor de 4% nesta terça-feira (10), esboçando uma recuperação, após uma segunda-feira de perdas globais, contaminadas pelos efeitos do novo coronavírus na economia mundial e pelo forte tombo no preço do petróleo.

Por volta das 8h, o índice FTSE 100 de Londres, na Inglaterra, subia 4%. O DAX 30 de Frankfurt, na Alemanha, ganhava 3,50%. O CAC 40 de Paris, na França, apresentava alta de 4,22%. O Ibex 35, de Madrid, na Espanha, subia 3,34%. O FTSE de Milão, na Itália, avançava 2,65%.

Às 8h03 (horário de Brasília), o índice FTSEEurofirst 300 subia 4,16%, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhava 3,99%, mas estava longe de compensar a queda de 7% registrada na segunda-feira, que levou as bolsas europeias a recuarem para mínimas de oito meses.

Já os preços do petróleo eram negociados em alta perto de 10%, após tombo de quase 25% na véspera, depois de uma guerra de preços dos maiores produtores, Arábia Saudita e Rússia, que provocou a maior queda diária desde a Guerra do Golfo de 1991.

Por volta das 7h50, os contratos futuros do barril de Brent tinham alta de 9,72%, US$ 37,70 na venda, em Londres, enquanto o barril WTI, nos EUA, tinha alta de 10,47%, a US$ 34,39, segundo dados da Bloomberg.

A recuperação ganhava força também conforme os investidores depositavam suas esperanças em ações coordenadas de governos e bancos centrais de todo o mundo para aliviar o impacto do coronavírus.

O Japão divulgou nesta terça-feira um segundo pacote de medidas no valor de US$ 4 bilhões em gastos para lidar com as consequências do surto, com foco no apoio a pequenas e médias empresas,.

Já o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu um passo “importante” na segunda-feira e disse que discutirá um corte nos impostos sobre os salários com os republicanos do Congresso.

á a Bolsa de Moscou em queda de mais de 10%, depois de um fim de semana de três dias, afetada pela guerra de preços dos produtores de petróleo e pela desvalorização do rublo frente ao dólar.

Bolsas asiáticas fecham em alta

Na Ásia, as bolsas fecharam em leve alta. A Bolsa de Tóquio encerrou a sessão de terça-feira com avanço de de 0,85%. O índice Nikkei ganhou 168,36 pontos, a 19.867,12 unidades. As bolsas de Hong Kong encerram em alta de 1,41%.

Na China, o índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 2,14%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 1,82%.

Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,42%; em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 3,11%.

Petrobras volta a reduzir preço da gasolina e do diesel

Petrobras anunciou nesta quarta-feira a nova queda do preço da gasolina e do diesel nas refinarias de 4,3 e 4,4%, que passa a valer nesta quinta-feira.

O presidente da república Jair Bolsonaro usou recentemente suas redes sociais para cobrar dos governos estaduais uma redução na alíquota de ICMS de forma a permitir que a queda do preço nas refinarias de diesel e gasolina chegue efetivamente aos consumidores.

Em resposta ao presidente, governadores de mais de 20 estados enviaram uma carta ao presidente Jair Bolsonaro dizendo que a redução de preço de combustíveis devia ser um debate feito nos fóruns adequados, institucionais, que existem para isso, e com estudos técnicos apropriados.

O desgaste com os governos estaduais podem virar dor de cabeça, obstáculo político para que o Executivo consiga aprovar esse ano as tão desejadas reforma administrativa, tributária e outras, que tramitam no Congresso.

Enquanto o Governo Federal quer um ICMS fixo por litro de gasolina para tentar garantir a queda de preços de diesel e gasolina, os governadores estaduais defendem uma redução nos impostos federais, como CID, PIS, COFINS, todos embutidos no preço final da gasolina.

Para colocar mais pimenta nessa discussão, dados divulgados pelo Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE) revelaram que em 2019, a gasolina nas refinarias subiu 26,4%, mas nas bombas, só subiu 7,28%. Já o diesel, nas refinarias, subiu 17,1%, e nos postos, 10,2%.

* Com informações do repórter Rodrigo Viga.

Governo aposta na revisão do pacto federativo para angariar apoio

Na volta do recesso parlamentar o Governo já estabeleceu como prioridade a discussão em torno de um novo pacto federativo e a apresentação da proposta de uma reforma tributária. A ideia é de que as sugestões do Governo sejam incorporadas nas propostas que já estão sendo discutidas.

Desde a época da campanha, Paulo Guedes defende uma melhor distribuição de recursos entre a União, Estados e municípios. Ele também critica o excesso do chamado dinheiro carimbado, que só pode ser usado em determinados projetos e setores. Segundo Guedes, isso dificulta a execução orçamentária.

O discurso agrada os governadores, mas o entendimento geral é de que é muito precoce trazer a discussão do pacto federativo antes da aprovação da reforma da Previdência na Câmara e no Senado.

Os governadores do Nordeste se reuniram na última semana e apresentaram uma lista que aponta possíveis caminhos para aumento de receita, que passa pela compensação de perdas e também a divisão da cessão onerosa do pré-sal.

Eles querem também discutir, no Senado Federal, alterações no plano Mansueto, apresentado pelo ministério da Economia e que tem como objetivo estimular o equilíbrio fiscal dos Estados.

O governador da Bahia, Rui Costa, explicou que o entendimento dos governadores da região é de que existem outras alternativas para melhorar as contas dos estados que não passam pela reforma da Previdência.

Mesmo com a resistência do grupo, Paulo Guedes ainda acredita na inclusão da pauta dos estados e munícios na proposta, na discussão no Senado Federal.

Caixa anuncia regras e prazos para saques do FGTS e cotas do PIS

A MP traz a modalidade do saque aniversário que prevê, a partir de 2020, o trabalhador poder retirar um percentual de seu saldo no FGTS anualmente.

Em coletiva à imprensa realizada nesta segunda-feira (5), a Caixa Econômica Federal apresenta as regras para saques das contas ativas e inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e também de cotas do PIS.

Conforme a Medida Provisória nº 889, as liberações relacionadas ao FGTS ocorrerão do dia 13 de setembro de 2019 a março de 2020. Os trabalhadores poderão retirar até R$ 500 por conta. A expectativa do Ministério da Economia é alcançar 96 milhões de trabalhadores e injetar R$ 30 bilhões na economia.

Além do saque imediato, a MP traz a modalidade do saque aniversário que prevê, a partir de 2020, a possibilidade de o trabalhador retirar, anualmente, um percentual de seu saldo no FGTS. A previsão é de que o saque aniversário dê aos trabalhadores acesso a R$ 12 bilhões.

A liberação dos saques depende, no entanto, da adesão individual do trabalhador. As duas modalidades de saque criadas pela MP somam R$ 42 bilhões para serem liberados em 16 meses.

Em relação aos cotistas do Fundo do PIS/Pasep, que atendia a trabalhadores com carteira assinada antes da Constituição de 1988, o governo pretende permitir o saque de R$ 2 bilhões, de um estoque total de R$ 23 bilhões.

*Com informações da Agência Brasil

Carnaval das Caretas 2019