folhadopajeu

Escola municipal de Serra Talhada entre as dez melhores no IDEPE

A Escola Municipal Antônio Medeiros, localizada no Bairro Borborema, em Serra Talhada, é pelo segundo ano consecutivo uma das 10 melhores escolas do Prêmio IDEPE – Índice de Desenvolvimento da Educação Básica de Pernambuco, na categoria Anos Finais do Ensino Fundamental. Em 2018, a escola conquistou o 7º lugar no Estado na mesma categoria anos finais.

A divulgação do ranking final da categoria acontecerá na próxima quarta-feira (07.08), às 10h, durante a solenidade de premiação que será realizada pela Secretaria Estadual de Educação, na Sala das Bandeiras, no Palácio do Campo das Princesas, em Recife.

A secretária de Educação Marta Cristina comemorou o resultado. “É uma alegria muito grande para todos nós da Rede Municipal e, principalmente, para a Escola Antônio Medeiros estarmos mais uma vez entre as dez melhores nos anos finais do Ensino Fundamental em todo o Estado. Uma conquista para a escola, que presta um serviço importantíssimo à comunidade da Borborema. Em nome de todo o governo municipal, parabenizo a escola, a direção, os professores, funcionários e os nossos alunos, que vem mostrando um desempenho muito bom nas avaliações educacionais”, disse.

O Prêmio IDEPE tem como objetivo valorizar o trabalho das escolas, Gerências Regionais de Educação (GREs) e municípios que obtiveram bons desempenhos educacionais no Estado. O Índice avalia o anualmente o desempenho da Educação Básica em Pernambuco (Ensino Fundamental: 5º e 9º Ano e Ensino Médio 3º Ano), utilizando a mesma metodologia avaliativa do IDEB – que é realizado pelo MEC a cada dois anos.

Governo aposta na revisão do pacto federativo para angariar apoio

Na volta do recesso parlamentar o Governo já estabeleceu como prioridade a discussão em torno de um novo pacto federativo e a apresentação da proposta de uma reforma tributária. A ideia é de que as sugestões do Governo sejam incorporadas nas propostas que já estão sendo discutidas.

Desde a época da campanha, Paulo Guedes defende uma melhor distribuição de recursos entre a União, Estados e municípios. Ele também critica o excesso do chamado dinheiro carimbado, que só pode ser usado em determinados projetos e setores. Segundo Guedes, isso dificulta a execução orçamentária.

O discurso agrada os governadores, mas o entendimento geral é de que é muito precoce trazer a discussão do pacto federativo antes da aprovação da reforma da Previdência na Câmara e no Senado.

Os governadores do Nordeste se reuniram na última semana e apresentaram uma lista que aponta possíveis caminhos para aumento de receita, que passa pela compensação de perdas e também a divisão da cessão onerosa do pré-sal.

Eles querem também discutir, no Senado Federal, alterações no plano Mansueto, apresentado pelo ministério da Economia e que tem como objetivo estimular o equilíbrio fiscal dos Estados.

O governador da Bahia, Rui Costa, explicou que o entendimento dos governadores da região é de que existem outras alternativas para melhorar as contas dos estados que não passam pela reforma da Previdência.

Mesmo com a resistência do grupo, Paulo Guedes ainda acredita na inclusão da pauta dos estados e munícios na proposta, na discussão no Senado Federal.

Caixa anuncia regras e prazos para saques do FGTS e cotas do PIS

A MP traz a modalidade do saque aniversário que prevê, a partir de 2020, o trabalhador poder retirar um percentual de seu saldo no FGTS anualmente.

Em coletiva à imprensa realizada nesta segunda-feira (5), a Caixa Econômica Federal apresenta as regras para saques das contas ativas e inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e também de cotas do PIS.

Conforme a Medida Provisória nº 889, as liberações relacionadas ao FGTS ocorrerão do dia 13 de setembro de 2019 a março de 2020. Os trabalhadores poderão retirar até R$ 500 por conta. A expectativa do Ministério da Economia é alcançar 96 milhões de trabalhadores e injetar R$ 30 bilhões na economia.

Além do saque imediato, a MP traz a modalidade do saque aniversário que prevê, a partir de 2020, a possibilidade de o trabalhador retirar, anualmente, um percentual de seu saldo no FGTS. A previsão é de que o saque aniversário dê aos trabalhadores acesso a R$ 12 bilhões.

A liberação dos saques depende, no entanto, da adesão individual do trabalhador. As duas modalidades de saque criadas pela MP somam R$ 42 bilhões para serem liberados em 16 meses.

Em relação aos cotistas do Fundo do PIS/Pasep, que atendia a trabalhadores com carteira assinada antes da Constituição de 1988, o governo pretende permitir o saque de R$ 2 bilhões, de um estoque total de R$ 23 bilhões.

*Com informações da Agência Brasil

Serra Talhada ganha prêmio nacional por boas práticas em gestão

Cumprindo agenda em São Paulo nesta quarta-feira (31), o prefeito Luciano Duque recebeu uma ótima notícia no final desta manhã. O município foi reconhecido com o prêmio nacional Otimiza (ficou em 2º lugar), por boas práticas em gestão. A condecoração é uma iniciativa do Portal Meu Município. O evento ocorreu na sede do Insper (Instituto de Ensino e Pesquisa) no bairro Vila Olímpia, na capital paulista.

Com o resultado, a Capital do Xaxado pela primeira vez em sua história, fica entre as dez melhores do Brasil em termos de modelo de gestão. A prêmio Otimiza tem como objetivo identificar, reconhecer e divulgar as aplicações das boas práticas na cidades Brasil a fora. Serra Talhada inscreveu o projeto “Arrecadação eficiente, Investimento Permanente”, que tem como responsável a secretária executiva da receita municipal, Priscila Freire, sob a coordenação da secretária de finanças, Cibelli Almeida.

O projeto teve como base a evolução da receita municipal a partir de sua estruturação, com investimentos em formatação, quadro de servidores e melhoria das ferramentas voltadas para a eficiência da arrecadação do município. Serra Talhada, Caruaru e Moreno foram os três municípios selecionados de Pernambuco. Ao lado de Duque, também estiveram presentes no evento Priscila Freire, Cibelli Alves, responsáveis pelo projeto; Márcia Conrado, secretária de saúde; e Dr.Jailson Araújo, secretário executivo de governo.

 

Fonte: Farol de Notícias

Programa Médicos pelo Brasil vai substituir Mais Médicos

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, lançam nesta quinta-feira (1º) o programa Médicos pelo Brasil, que vai substituir o Mais Médicos, criado em 2013, no governo de Dilma Rousseff. O lançamento ocorrerá em cerimônia no Palácio do Planalto, marcada para as 11h.

O principal objetivo do novo programa continua sendo a interiorização de médicos pelo país, especialmente nas regiões mais remotas e desassistidas. “O programa prevê a priorização da prestação de serviços médicos na atenção primária de saúde no SUS (Sistema Único de Saúde), principalmente em municípios pequenos e remotos do Brasil, locais de difícil provimento ou alta vulnerabilidade, além de aprimorar o modelo de atendimento médico federal.

O programa objetiva também desenvolver e intensificar a formação de profissionais médicos, especialistas em medicina de família e comunidade”, afirmou o porta-voz do Palácio do Planalto, Otávio Rêgo Barros, na entrevista diária concedida a jornalistas.

Uma das principais novidades do Médicos pelo Brasil é a contratação dos profissionais pelo regime de CLT (Conslidação das Leis do Trabalho). Até então, os contratos eram temporários de até três anos. O valor do salário, atualmente em R$ 11,8 mil, também deve aumentar.

Estão previstas gratificações de acordo com o local de lotação do médico. A seleção para o programa será feita, segundo o governo, por meio de prova objetiva. O programa também pretende intensificar a formação de profissionais médicos como especialistas em medicina de família e comunidade.

A substituição do Mais Médicos pelo Médicos pelo Brasil deverá ser gradual, respeitando os atuais contratos em vigor. A expectativa é manter as cerca de 18 mil vagas em mais de 4 mil municípios de todo o país.

O governo espera que o novo programa seja mais atrativo na alocação de profissionais médicos em áreas de baixa cobertura de saúde pública. “Eles [Ministério da Saúde] estudaram alguns aspectos que vão favorecer a chamada, a seleção desses novos médicos. Nós estamos bastante esperançosos que isso possa suplantar as dificuldades que nós tínhamos no passado”, acrescentou Rêgo Barros.

Cubanos

A incorporação dos cerca de 1,8 mil médicos cubanos que permaneceram no país, após o fim do acordo com o governo de Cuba, não está prevista no novo programa. “A situação dos médicos cubanos está sendo analisada pelo ministério, buscando alternativas para o seu exercício profissional”, disse o porta-voz do governo.

Portaria publicada essa semana pelos ministérios da Justiça e das Relações Exteriores regulamentou a residência de cubanos que participaram do programa Mais Médicos no Brasil. A apresentação do requerimento de autorização de residência em território brasileiro deverá ser feita junto à Polícia Federal.

De acordo com a portaria, o imigrante poderá requerer a autorização de residência – que poderá ter prazo indeterminado – no período de 90 dias anteriores à expiração do prazo de 2 anos, previsto para que as autoridades brasileiras concluam o processo de autorização de residência. A autorização de residência implicará na “desistência expressa e voluntária de solicitação de reconhecimento da condição de refugiado”.

Trump elogia indicação de Eduardo Bolsonaro

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, elogiou a indicação do filho do presidente Jair Bolsonaro e deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para a embaixada brasileira em Washington. Questionado pela correspondente da Globonews Raquel Krahenbühl sobre a indicação, Trump foi ao mesmo tempo efusivo e vago, dizendo três vezes que Eduardo era “fantástico”, mas sem explicar o motivo.

“Eu conheço o filho dele, eu acho que o filho dele é fantástico, um grande jovem. Estou muito feliz por ele ter sido indicado, espero que seja nomeado.  Eu conheço o filho dele e é provavelmente por isso que ele foi indicado. Ele é fantástico, estou muito feliz”, disse. “Não acho que é nepotismo, porque o filho dele ajudou muito na campanha. Ele é fantástico”, acrescentou Trump, que tem a filha Ivanka e o genro, Jared Kushner, entre seus principais assessores.

Eduardo Bolsonaro esteve com Trump na primeira viagem oficial de Bolsonaro ao exterior, a Washington, em março, e depois voltou a encontrá-lo brevemente no final de junho na cúpula do G-20 no Japão. Em março, em uma quebra de protocolo, o deputado foi convidado para uma reunião com os dois presidentes, sem a presença do chanceler brasileiro, Ernesto Araújo.

Afogados: Polícia prende sete em segunda fase da Operação Cristo Negro

 

Polícia Civil, Polícia Militar, Polícia Científica e Instituto Médico Legal executam na manhã de hoje a Operação Cristo Negro Fase 2.

São sete mandados de prisão temporária e buscas cumpridos. Drogas foram encontradas. A informação é do Delegado Ubiratan Rocha que ainda não deu mais detalhes.

Em 28 de junho houve a primeira fase da operação. Foi a 56ª Operação de Repressão Qualificada do ano, denominada  “Cristo Negro”, vinculada à Diretoria Integrada do Interior 2 – DINTER 2, decorrente de investigação realizada pela 167ª Circunscrição Policial, vinculada à 20ª DESEC – Afogados da Ingazeira-PE, sob a presidência do Delegado Ubiratan Rocha.

A investigação iniciou em janeiro de 2019, com objetivo de desarticular organização criminosa voltada para a prática dos crimes de: tráfico de drogas, associação para o tráfico de drogas e venda ilegal de arma de fogo.

Durante a primeira operação, foram cumpridos 10 ( dez) mandados de prisão e 09 ( nove) mandados de busca e apreensão expedidos pelo MM Juiz da Comarca de Afogados da Ingazeira-PE.

 

Fonte: Blog do Nill Junior

Nely Sampaio confirma pré-candidatura e justifica projeto de lei que reajusta salários dos servidores de nível superior em Tabira

Com o objetivo de se contrapor a declaração do ex-Prefeito Dinca Brandino(MDB), que acusou a gestão do Prefeito Sebastião Dias de governar para as elites por ter apresentado o Projeto de Lei 09/2019 que aumenta o valor do salário base dos servidores de nível superior, a Presidente da Câmara Nely Sampaio falou a Anchieta Santos na Rádio Cidade FM.

“Não é reajuste, é equiparação. Como exemplo citou que o médico recebe R$ 2 mil, o dentista somente R$ 1.100.”

Nely inclusive apresentou uma carta aberta assinada por 20 profissionais apoiando a proposta. A Presidente disse que inclusive os Agentes de Saúde e Endemias já tiveram os seus vencimentos melhorados.

Ela falou que a sessão extraordinária da 2ª feira foi para empossar o suplente Mário Amaral em substituição a Aristóteles Monteiro que está cirurgiado. Na quinta feira haverá outra sessão extraordinária para apreciar o Projeto de Lei que certamente receberá algumas emendas.

Nely agradeceu a lembrança do seu nome como pre candidata a Prefeita pelo vereador Marcos Crente e o ex-vereador Edmundo Barros e repetiu o que disseram os aliados, não será uma candidatura de 3ª via, mesmo admitindo que não formará no palanque do prefeito Sebastiao Dias e nem mesmo no ex-prefeito Dinca.

Admitiu que sendo eleita prefeita ouvirá o seu pai o ex-prefeito Rosalvo Sampaio, mas que implantará o seu jeito pessoal de governar. Não descartou ingressar no PSB. Se mostrou surpresa com a forma de governar do Presidente Bolsonaro em quem votou.

E sobre o “N” do seu nome na marca oficial da Câmara de vereadores, Nely disse que foi coisa de assessores entusiasmados com sua vitória na disputa pela reeleição, mas já foi retirado e o MP não precisa mais se preocupar.

Acusados do 11 de setembro dizem que confessaram sob tortura e que declarações são inválidas, diz jornal

Suspeitos foram torturados pela CIA e, depois, entregues ao FBI, que obteve confissões ‘limpas’; defesa argumenta que havia uma mistura de responsabilidades dos dois órgãos e que, portanto, mesmo os testemunhos obtidos sem violência são ilegítimos.

Alguns dos acusados de terem planejado os ataques do 11 de setembro alegam que suas confissões foram obtidas sob tortura e que são inválidas.

As informações são do jornal “New York Times”.

No dia 11 de setembro de 2001, a rede terrorista Al-Qaeda sequestrou quatro aviões nos EUA e os jogou contra edifícios em Nova York, Washington e Pensilvânia. No total, quase 3.000 pessoas foram assassinadas.

Os suspeitos pelo ataque foram torturados pela CIA entre 2002 e 2006, antes de serem enviados à prisão da base da Baía de Guantánamo. A partir de então, passaram a estar sob custódia do FBI.

A tarefa do FBI era obter novas confissões, dessa vez sem torturas –os responsáveis por isso ficaram conhecidos como “clean team” (times limpos; em inglês, há uma aliteração nesse nome).

A defesa dos acusados diz que há uma mistura de autoridades que obtiveram as confissões e que não há nitidez a respeito de quais fatos foram revelados em quais circunstâncias.

Esse é o caso de um dos principais nomes do 11 de setembro, Khalid Sheikh Mohammed, que é tido como a pessoa que pensou na estratégia dos ataques.

Mohammed esteve sob custódia da CIA entre 2002 e 2006. Seus representantes legais afirmam que, nessa fase, o FBI também estava envolvido na investigação.

Posteriormente, ele foi levado à base da Baía Guantánamo, em Cuba. Mesmo lá, dizem os advogados, a CIA ainda tinha influência.

A troca de informações entre os dois órgãos implica a inadmissão da confissão de Mohammed, de acordo com a defesa.

Os advogados dizem que os times limpos nunca existiram –sempre se tratou de uma operação conjunta, afirmam.

O FBI teria dito à CIA quais questões deveriam ser perguntadas quando os acusados estavam sob custódia da segunda, por exemplo.

Os procuradores dizem que os agentes do FBI que interrogaram os acusados na base da Baía de Guantánamo em 2007 não tinham relação nenhuma com as torturas que os suspeitos sofreram nos anos anteriores.

Em junho deste ano, um novo juiz, coronel W. Shane Cohen, assumiu o processo. E ele vai decidir se as interrogações feitas pelo FBI são válidas.

Em setembro, começam as audiências. Elas vão até março do ano que vem.

Parte de ouro roubado no aeroporto de Guarulhos era de mineradora canadense

Transportadora do metal disse em comunicado a clientes que, por causa da violência, ‘se vê obrigada a interromper temporariamente suas operações em determinados aeroportos’.

 

Parte dos 718.8 kg de ouro roubados no terminal de carga do aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, pertencia à mineradora canadense Kinross, a quinta maior do mundo. O metal foi extraído de uma mina de Paracatu, no noroeste de Minas Gerais.

A mina é uma das maiores do Brasil. No ano passado, ela bateu recorde de produção: 14,7 toneladas de ouro.

A assessoria da empresa informou que o metal precioso estava em trânsito para terceiros, e que tem a expectativa de que o valor seja coberto pela seguradora do provedor de transporte –no caso, a transportadora Brinks.

Num comunicado a clientes, a Brinks afirma que “as autoridades de alguns aeroportos do país estabelecem restrições ao emprego de vigilância armada”, e que “não tem autonomia para definir as condições em que determinadas operações são realizadas”.

O comunicado diz que “em face dos níveis crescentes das atividades criminosas do país, se vê obrigada a interromper temporariamente suas operações em determinados aeroportos”.

Presos

Até agora, três suspeitos de envolvimento com o crime foram presos: o encarregado de despacho do aeroporto Peterson Pattrício, de 33 anos, que disse à polícia ter sido mantido refém pela quadrilha; e um conhecido dele, chamado Peterson Brasil. A investigação aponta que foi Brasil quem convidou Pattrício a participar do assalto.

Pattrício teve prisão temporária de 5 dias decretada também na tarde desta segunda. De acordo com a juíza Ana Carolina Miranda de Oliveira, “a medida é necessária” para evitar “desaparecimento do suspeito e dissipação de provas” mediante a “gravidade do crime investigado”.

terceiro preso é Célio Dias, proprietário do estacionamento onde os criminosos deixaram neste estacionamento duas caminhonetes usadas para transportar o ouro. Ele teve prisão preventiva decretada pela Justiça e deve permanecer detido até julgamento.

No local foram encontrados, escondidos sob um ônibus e dentro de uma sacola plástica, um carregador de fuzil com munição, dois gorros e cinco luvas avulsas.

Novo relatório de ONG internacional aponta 20 assassinatos de ativistas ambientais no Brasil em 2018

Brasil é o quarto país do mundo que mais mata ambientalistas, segundo a organização. Filipinas é líder, com 30 vítimas.

O Brasil é o quarto país que mais mata ativistas ambientais, de acordo com o relatório anual da ONG Global Witness publicado nesta terça-feira (30). Foram pelo menos 20 vítimas em 2018. As Filipinas têm o maior número de mortes no mundo: 30 assassinatos de pessoas que defendem o meio ambiente.

No mundo, foram mortos 164 ativistas ambientais por defender suas casas, terras e recursos naturais contra projetos de mineração, florestais ou agroindustriais. Em média, três pessoas morreram por semana no ano passado. Mais da metade dos casos ocorreu na América Latina.

O documento aponta que outros “incontáveis” ativistas sofreram violência, intimidação e uso ou modificação de leis antimanifestação. A mineração foi o setor mais letal, com 41 pessoas assassinadas por protestar contra o efeitos da extração ilegal.

As Filipinas substituíram o Brasil em 2018, que foi líder na contagem de mortes em 2017. Em segundo lugar aparece a Colômbia, com 24 mortes no ano passado, e, em terceiro, a Índia, com 23. Por outro lado, a Guatemala, com 16 assassinatos confirmados, é o país com mais mortes em relação ao número de habitantes.

“É um fenômeno que pode ser visto em todas as partes do mundo. Os defensores do meio ambiente e da terra, dos quais um número significativo são representantes dos povos indígenas, são considerados terroristas, criminosos ou delinquentes por defenderem seus direitos”, denuncia no informe Vicky Tauli-Corpuz, relatora-especial sobre os direitos dos povos indígenas da Organização das Nações Unidas (ONU).

O número de mortos reduziu em comparação com 2017, que foi o ano mais mortífero, quando foram registradas 207 vítimas. A Global Witness aponta que o montante pode estar subvalorizado no ano passado, principalmente porque alguns crimes ocorrem em lugares muito remotos.

Aumento da intimidação

O incidente mais mortal registrado pela ONG em 2018 ocorreu no estado de Tamil Nadu, no sul da Índia, onde 13 pessoas morreram após uma manifestação contra uma mina de cobre, segundo a organização.

No Brasil, pelo menos oito ativistas envolvidos em disputas com representantes da indústria da soja morreram em 2018 apenas no estado do Pará.

Nas Filipinas, nove produtores de cana, incluindo mulheres e crianças, foram mortos por homens armados na ilha de Negros, observando que o advogado que representa as famílias das vítimas foi assassinado 15 dias depois.

A organização também denuncia uma “tendência preocupante” em relação à intimidação e à prisão de defensores do meio ambiente, uma semana antes de o grupo de especialistas sobre clima da ONU (IPCC) publicar um relatório sobre o uso da terra que deverá destacar a importância dos povos indígenas na proteção da natureza.

O relatório também denuncia o papel de investidores, incluindo bancos de desenvolvimento, em projetos polêmicos, e cita algumas empresas acusadas de facilitar a violação dos direitos.

“Não basta que as multinacionais ligadas ao confisco de terras evoquem sua ignorância”, insiste.

“Eles têm a responsabilidade de garantir preventivamente que as terras de que eles se beneficiam tenham sido arrendadas legalmente, com o consentimento das comunidades que nelas habitaram por gerações”.

Em quatro anos, déficit da Previdência dos estados mais do que dobra

Neste ano, rombo com as aposentadorias dos regimes próprios estaduais deve chegar a R$ 144,6 bilhões, o que representa um crescimento de 137% em relação a 2015; cálculos são do economista Paulo Tafner.

Os governadores estão diante de uma bomba-relógio. Nos últimos quatro anos, o déficit previdenciário dos Estados disparou e mais do que dobrou. Debilitadas, as finanças estaduais inspiram cuidados, segundo analistas.

Excluídos da reforma da Previdência aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados, os estados vão ter de lidar com um déficit das aposentadorias dos regimes próprios de R$ 144,6 bilhões neste ano, de acordo com cálculos do economista Paulo Tafner, pesquisador da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Em quatro anos – de 2015 ao final de 2019 –, estima-se que o rombo cresça 137%.

O quadro preocupante dos estados fica evidente quando se faz uma comparação com a situação do governo federal. No mesmo período, entre 2015 e 2019, o déficit do regime próprio da União vai crescer 36%, para R$ 98,8 bilhões.

“O déficit da União cresce de forma acelerada, porém num ritmo muito menor do que o dos estados. E isso ocorre basicamente porque a União está numa etapa mais avançada de amadurecimento previdenciário. Ele cresceu muito há uns anos e agora está começando a se estabilizar”, afirma Tafner. “Não é o caso dos estados, que contrataram muita gente ao longo dos anos 1990, 2000, 2010 e várias dessas pessoas estão se aposentando agora.”

Carnaval das Caretas 2019