23 de novembro de 2020

Rússia diz que vacina contra Covid Sputnik V é 92% eficaz, segundo análise preliminar da fase 3

Eficácia foi calculada com base em 20 casos confirmados de Covid em voluntários que tomaram a vacina e o placebo, segundo comunicado. Dados não foram revisados por outros cientistas nem publicados em revista científica.

Rússia anunciou, em comunicado divulgado nesta quarta-feira (11), que a vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya contra a Covid-19, é 92% eficaz, segundo dados preliminares de estudos de fase 3 conduzidos no país. Os resultados ainda não foram revisados por outros cientistas, etapa que é necessária para que sejam publicados em revista científica.

A eficácia foi calculada com base em 20 casos confirmados de Covid, que ocorreram tanto em voluntários que tomaram a primeira dose da vacina quanto naqueles que receberam o placebo (substância inativa). Os estudos, conduzidos na Rússia, têm 40 mil voluntários.

A taxa de eficácia representa a proporção de redução de casos entre o grupo vacinado comparado com o grupo não vacinado.

 

Na prática, se uma vacina tem 92% de eficácia, isso significa dizer que a pessoa tem 92% menos chance de pegar a doença se for vacinada do que se não for.

  • A Rússia divulgou os dados de eficácia depois de 20 participantes terem Covid-19.
  • Não foi informado quantas dessas 20 pessoas tomaram a vacina experimental e quantas receberam o placebo (uma substância inativa).
  • A vacina russa é aplicada em duas doses. Os resultados da eficácia foram calculados 21 dias depois da aplicação da primeira dose.
  • São 40 mil voluntários nos testes. Desses, 20 mil já foram vacinados com a primeira dose, e, entre esses, mais de 16 mil já receberam ambas.

 

O governo russo informou ainda que não houve eventos adversos inesperados durante os ensaios e que o monitoramento dos participantes ainda está em andamento.

Vacinação em massa confirma dados, diz governo

 

A Rússia foi o primeiro país a registrar uma vacina contra a Covid-19 no mundo, em agosto. O anúncio gerou preocupação entre cientistas, entre outros motivos, por causa do anúncio dos testes de fase 3 e da vacinação em massa de forma simultânea.

O registro da vacina permite que o país aplique a vacina em voluntários fora dos ensaios clínicos, como médicos e outros grupos de alto risco.

Segundo o comunicado desta quarta (11), testes feitos em 10 mil voluntários fora dos ensaios “confirmaram a eficácia da vacina a uma taxa acima de 90%”. Também não foram divulgados estudos que comprovassem essas observações.

 

Na nota, o Instituto Gamaleya e o fundo russo que financia o desenvolvimento da vacina, o RDIF, afirmam que os dados provisórios da pesquisa serão publicados “em uma das principais revistas médicas internacionais” e que, após a conclusão dos ensaios clínicos da fase 3, o Instituto Gamaleya “fornecerá acesso ao relatório completo do ensaio clínico” da Sputnik V.

Além da Rússia, os ensaios de fase 3 estão sendo feitos em Belarus, nos Emirados Árabes Unidos e na Venezuela. Também passa por testes de fase 2 e 3, simultaneamente, na Índia (veja detalhes sobre as fases de testes de uma vacina mais abaixo nesta reportagem).

Outras candidatas

 

O anúncio russo foi feito dois dias depois que as farmacêuticas Pfizer e BioNTech anunciaram que sua candidata a vacina contra a Covid-19, a BNT162b2, teve mais de 90% de eficácia na prevenção da doença. As farmacêuticas também não divulgaram estudos que embasassem os dados.

Logo em seguida, no mesmo dia, a Rússia disse que a Sputnik V também tinha índices de sucesso acima de 90%, mas ainda não havia divulgado detalhes.

No mês passado, o país pediu a aprovação do uso emergencial da Sputnik V à Organização Mundial de Saúde (OMS).

O governo russo também firmou uma parceria com o governo do Paraná para produção da Sputnik V em solo brasileiro. Em outubro, o fundo russo que financia o desenvolvimento da vacina anunciou que o Brasil poderia começar a produzi-la em dezembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *